"E você depois perguntou: não tem nada meu aí? E eu quis gritar: tem, tem eu. Eu sempre fui sua." (Tati B.)
E para os amores impossíveis, tempo.”
Fernando Veríssimo.  (via codinome—saudade)